#3 home sweet home

Pra resolver onde eu ia morar eu pesquisei um bocado e acabei chegando a algumas indicações de sites com aluguéis de apartamentos temporários próprios pra estrangeiros. O Byt Argentina, o DeptosTemporarios  e o Baires Apartments.

Nesses sites dá pra encontrar um lar pra chamar de seu de acordo com suas necessidades e po$$ibilidades. Aliás, nem tão de acordo assim, porque achei o aluguel um tanto salgado. Mas claro, eu estava vindo pra morar sozinha, então é natural que isso tenha encarecido consideravelmente a minha estadia aqui.

O interessante de alugar nessas empresas é que você pode reservar todo o período de você pretende ficar antes mesmo de chegar.
A parte ruim é que se você já estiver na cidade e quiser ir conhecer o apartamento antes de alugar, isso não vai ser possível. É confiar mesmo que vai estar tudo igualzinho às fotos. Eles marcam um horário no dia da sua chegada e lhe encontram pra entregar as chaves e receber o pagamento. Dentro do valor quase sempre já estão inclusos os custo de água, luz, gás, internet e TV a cabo. Também é  comum ter faxina uma vez por semana, mas não são todos os apartamentos que trazem esse serviço.

Quando eu estava procurando o meu apartamento, também recebi a indicação de outro site – o Solo Dueños – onde o aluguel é feito diretamente com o dono. Ou seja, não existe o intermédio de uma ‘corretora’. Por isso, geralmente, os valores são um pouco mais baixos. Como me mudar pra outro país não era algo que acontecia com frequência na minha vida era algo novo na minha lista, eu fiquei um pouco receosa de arriscar o aluguel pelo Solo Duenõs. Já tinha ouvido falar bem da BYT então resolvi tudo pelo site, antes mesmo de chegar aqui em BsAs.

Sobre a minha experiência:

O apartamento era EXATAMENTE como foi mostrado nas fotos. Tudo direitinho, tirando o atraso do pessoal do site, que me fez ficar um bom tempo cheia de malas na rua. O contrato que eu tinha feito era durante 2 meses, mas quando eu cheguei e conheci o lugar quis prolongar até o fim da minha estadia na cidade.

Acontece que os preços no site estavam todos em dólar. Eu, mamona como vocês atestaram no post anterior, não sabia que estava impossibilitada de trocar dólares no país. Tentei negociar de outra forma, sugerindo o pagamento pelo paypal, mas eles estavam irredutíveis. Gente, como assim? Que loucura é essa que eu tenho que pagar algo numa moeda que eu não tinha a condição de trocar?
Bem, depois de muito brigar eles falaram da possibilidade de pagar em pesos. MAS existia um grande porém. O câmbio que eles propuseram eram com o dolar a 5.50, câmbio esse que não era oficial e, até onde eu saiba, proibido de ser aplicado. Fiquei desgostosa, mas consegui que alguém do Brasil trouxesse o dinheiro pra mim e listo! Tudo certo.

O meu problema com a BYT começou MESMO no episódio em que a dona não fez o pagamento do gás. Cheguei da aula e descobri que, olha a alegria, não teria como cozinhar e muito menos como tomar meu banho quente (acreditem, no inverno o banho quente é essencial). Liguei para a empresa e o problema perdurou por não um, nem dois, mas NOVE dias. Eles sempre agiam como se tivessem fazendo um esforço muito grande pra resolver a situação, quando na verdade o esforço grande era ligar pra dona pedindo pra que ela fosse resolver isso. No 8º dia eu já tinha brigado tanto que eles me prometeram que iriam me mudar de apartamento. Arrumei minhas malas todas, e preparei a mudança em uma noite. No dia seguinte eles resolveram dar ~uma chance~ à proprietária e a história toda da mudança ficou esquecida. HÁ, pegadinha do malandro.  Tive que aceitar, já que não tinha outro apartamento pra ir, mas prometi pra mim que iria alertar a quem eu pudesse. E cá estou (:

A verdade é a seguinte. Tudo bem que isso foi apenas um caso. Tenho amigos que alugarem pela mesma empresa e não tiveram problemas. Mas também tenho outros que tiveram problemas no mesmo nível ou um pouco pior. Na verdade, ao meu ver, os que não passaram por problemas tiveram sorte com o proprietário, o que fez desnecessária qualquer intervenção da BYT.

O que eu tirei disso? Alugar direto com o dono teria sido basicamente a mesma coisa. Eu ficaria sujeita à sorte de encontrar uma pessoa normal e confiável e, se algo desse errado, eu teria ficado basicamente da mesma forma, sem ninguém pra recorrer. Depois que cheguei aqui, soube de muitas pessoas que alugaram pelo Solo Dueños e deu super certo. O legal, se essa for a escolha, é ir conhecer o apartamento e conversar com o dono. Se ele passar a impressão de ser um cidadão de bem, eu super indico. As vezes esses caminhos que a gente julga mais ‘seguros’ são, na verdade, só mais chatos e burocráticos.

————————————————————————————————

Andreza, uma amiga que também teve problemas com a BYT, resolveu enviar o depoimento da experiência!

“Alugamos um apartamento pela Byt na Araoz y Costa Rica,no dia que fizemos o check in , fomos super mal recepcionados pela proprietária  que além de nos tratar mal, ainda colocou na bolsa, quando eu me virei, um sabão em pó que era nosso, já mostrando assim seu mal caráter,  pois são nas simples coisas que as pessoas se mostram.

Ela fez a maior confusão porque exigia o pagamento em dólar,  ainda que nós estivéssemos impedidos de comprar dólar. Então fizemos um acordo com a BYT , para pagarmos em peso, porém pegando uma cotação super acima , pois o único interesse dessa imobiliaria é comer seu dinheiro e não lhe oferecer uma boa estadia. Topamos, pois não tínhamos outra opção. No mesmo dia quando fui tomar banho, o termotanque não estava esquentando direito. Entramos em contato com a imobiliária, mas eles não resolveram nada.

Quando menos esperamos a dona do apartamento bateu a porta, mal abrimos e ela já foi entrando. Tínhamos mudado a posição dos móveis, pois iriamos passar 6 meses ali, então colocamos as coisas de forma mais aconchegante (tínhamos feito isso no apartamento alugado anteriormente e não tivemos problema nenhum, pois entregamos do jeito que encontramos) , mas a dona começou a fazer um escândalo e nos ameaçou 3 vezes em não devolver nosso calção, por causa dessa mudança . E ainda por cima invadiu nossa privacidade, abrindo o guarda roupa e metendo a mão nas nossas coisas, para reclamar. Depois de gritar horrores com a gente ela foi embora.

Ligamos revoltados para a BYT, mas eles disseram que não poderiam fazer nada. A atendente perguntou se nós autorizávamos a entrada dos donos no apartamento sem a nossa presença. Dissemos que NÃO. No outro dia , no sábado pela manhã , quando estávamos dormindo , acordamos com o esposo da dona entrando no apartamento para mudar o gás. Entrou sem nossa permissão, invadindo nossa privacidade. Esse episódio nos deixou super revoltados.Ligamos na segunda feira para a imobiliária e recebemos a seguinte explicação: se estávamos em casa, deveríamos ter deixado a chave na porta para ele não entrar. E ainda fui chamada de dramática, por dizer que era invasão de privacidade.

No fim, ficou por isso mesmo. A Byt não fez nada e ainda disse que se sumisse alguma coisa do apartamento, ja que a dona entra e sai a hora que quer, eles não se responsabilizavam por NADA. Tivemos vários aborrecimentos com a menina da limpeza, pois mesmo não autorizando a entrada dela sem nossa presença , ela entrava . Até no dia que recebemos visita em nossa casa ouvimos piadinha dela .

E para fechar com chave de ouro, tivemos que voltar ao brasil antes. A multa era de 1 aluguel , mas a dona ficou com todo o nosso deposito, quando deveria ter nos devolvido os 20% pagos com antecedência. BYT ainda agiu de má fé, ficando com 1 mês que deveria ter sido devolvido. Além dos inúmeros aborrecimentos que tivemos em nossa estadia, da falta de segurança e do descaso da BYT para com a gente, eles ainda ficaram com nosso dinheiro, que de acordo com o contrato deveria ter sido devolvido. Resumindo, alugar pela BYT é sempre a pior opção .”

 

#2 e como eu fui ludibriada pela situação financeira instável do país.

Eu, menina inocente, que tinha visitado BsAs há um tempo, programei todo meu bolso baseada nas minhas impressões da última viagem.

Sem saber as reais circunstâncias, não imaginava que um ano poderia transformar completamente a realidade de um país. Já foi o tempo em que aqui era o paraíso das compras pra nós, turistas. E sobre compras, não estou me referindo só ao passeio dos outlets, ou às lojas caríssimas que tem em Palermo. Me refiro à compras de gente como a gente. Pão, carne e leite. E medialunas e doce de leite também,  que não pode faltar (:

Ainda que o Real esteja valorizado em relação ao Peso, os custos aqui subiram em progressão assustadoramente astronômica. Num país onde é cultural o costume de guardar dolar, a política de restrição na compra da moeda deixou tudo ainda mais louco. Só quando cheguei aqui foi que descobri que não poderia trocar dólares no país. Considerando que o apartamento que eu tinha alugado deveria ser pago nessa moeda, isso não fazia o menor sentido pra mim. Minha sorte foi que sempre tinha gente vindo do Brasil e eu pedia pra eles trazerem. Não fosse isso, os custos aqui seriam ainda mais altos do que o planejado. Porque claro, existe a possibilidade de realizar os pagamentos em pesos, mas o câmbio é referente ao dólar paralelo e pra gente que paga em reais não é nada favorável.

Uma coisa que, pra mim, não durou 2 semanas foi essa sensação de estar rica hahahaha. Tudo bem que 50 reais valem pouco mais que 100 pesos, mas 100 pesos aqui voam de uma forma que 50 reais  nunca sonharam em voar em Recife. Pra quem vai morar aqui, nada de ficar convertendo tudo pra reais. Você vai viver em pesos, então pense em pesos. Isso ajuda muito e faz a pessoa ter mais controle.

Então pra quem quiser vir morar ou turistar é importante ter isso em mente. Não só aqui em Buenos Aires mas em qualquer outro país, é indispensável estar bem informado sobre a situação do país, programando a viagem direitinho e evitando surpresas desagradáveis.

#1

Português não é assim tão parecido com o espanhol.

Sério, não é porque você entende de leve que quer dizer que você vai ficar fluente no ‘castexano’ logo de cara. Não sei se pra todo mundo é assim, mas o fato de algumas palavras serem iguais nos dois idiomas me deixa com a impressão de que tudo que eu estou falando é um português com um sotaque bizarro.

Pros mais desenrolados, com o tempo a comunicação vai ficando mais fácil. Mas como nem todos os porteños tem boa vontade de tentar entender o que você está falando, e pra evitar os espertinhos que se aproveitam dos turistas, aconselho fazer um curso do idioma. Aprende o básico e vem pra cá treinar (:

Pra quem for estudar a língua antes de vir, é bom tentar focar logo no castellano. A pronúncia dos porteños é bem própria, então é legal treinar pra já chegar falando como eles. Já que tem muitos brasileiros aqui, acabei não praticando tanto e acho que vou voltar falando um pouco menos de espanhol do que gostaria, mas bem mais do que eu pensei que seria capaz (espanhol, pra mim, só servia na hora de cantar MARIALADELBARRIOSOOOOY). Como disse um amigo, vou voltar arrasando no português, que foi só o que exercitei hahahahaha.

Enfim, não façam como eu e aproveitem a oportunidade pra aprender uma língua nova. É massa, você vai ter mais histórias pra contar e chance de conhecer muito mais gente interessante.

 

Só vim comprar um bolinho

Eu andava tão sem tempo, que tinha desistido disso aqui.
Mas resolvi desvirtuar o blog pra dividir um pouco da experiência de morar – temporariamente- em outro país. Quando eu decidi ir pra Buenos Aires, escolhi um curso que não era exatamente na minha área, mas que eu gostaria de conhecer mais pra quem sabe, trabalhar com isso. Minha formação é de designer e trabalhar em agência de publicidade me parecia uma nova possibilidade na minha condição de recém formada.

Uma das coisas que todo mundo tem que levar em conta quando for fazer um intercâmbio é que tem que estar disposto a mudar.
Isso, mudar. Não digo por aquela curto período de tempo , porque isso já vem implícito no pacote: casa, alimentação, pessoas. Eu digo pro resto da vida. Mudar de cabeça, de gostos, de planos. As vezes a mudança assusta tanto, que você não sabe quem vai ser quando voltar pra casa.

E agora, que?

Seis meses são capazes de proporcionar experiências inimagináveis que fazem você se conhecer melhor- ou não! Pra quem pretende passar um tempo na Argentina, espero que os próximos posts sirvam de ajuda (:

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 8 outros seguidores

quem?


Rayanne Andrade, publicitária, 24 anos, recifense.


Rhanna Andrade, designer gráfico, 21 anos, recifense :}