#6 a escola

Quem resolve viajar pra estudar, certamente escolhe a instituição de estudo por meio de indicações ou pesquisa em outras fontes. É claro que quem sai do seu país para fazer um curso não só pensa nos estudos, como também considera o local onde vai morar. Muitas vezes o local pesa mais, até. Por questões que vão desde o desejo de conhecer até as financeiras.

Pras pessoas que realmente estão viajando para estudar – sendo festas, socialização e turismo consequências secundárias da situação – é essencial procurar saber BEM sobre o lugar onde vai se matricular. Digo isso porque me arrependo um pouco de não ter buscado mais referências sobre a escola que escolhi.

Decidi fazer um curso na Brother, mas acabei descobrindo um pouco tarde que não era bem o que eu estava buscando. Não que a escola seja ruim. Acho que tem milhões de pessoas pra dar depoimentos de como a Brother mudou sua vida profissional. Inclusive conheci algumas aqui e vibrei muito quando vi que as coisas realmente dão certo pra quem se esforça.

Mas é como me disseram uma vez, devem ter escolas geniais para aprender, sei lá, história da civilização Asteca. A questão MESMO é: é isso mesmo que eu tô buscando?

Não quero entrar nos méritos de se a Brother é boa ou não. Pra maioria das pessoas funciona e é genial. Para mim, foi um pouco decepcionante e logo depois muito esclarecedora sobre o quero fazer da vida, na verdade. No fim, até que me serviu, haha. Não era o que eu tava buscando, apenas.

Os professores são sensacionais e os contatos feitos lá são importantíssimos pra quem pensa em trabalhar por aqui. Ainda assim, eu tenho algumas considerações a fazer pra quem pensa em estudar nela:

1. A escola é muito desorganizada. Se você se incomoda com atrasos e falta de planejamento de aula, esqueça.
2. Não indico nenhum curso que não seja o anual. Não conheço bem o sistema de todos os cursos mais curtos, então não posso falar muito, mas acho que, se você tem condições, o ideal é aproveitar o ano todo na escola. Minha escolha foi fazer o Brother Late, que é deveria ser um curso intensivo com a mesma carga do anual. Bem, assim é como eles vendem, mas a verdade é que eu paguei o mesmo valor integral de quem estudou o ano todo, pra ter menos aulas e ser encaixada na turma das pessoas que já estavam desde o começo sem a menor cerimônia. Sou só eu, ou é meio bizarro você chegar numa escola pra pegar as aulas no meio do processo todo?
3. Não espere aprender muita coisa. O curso, ao meu ver, funciona mais como um curso de portfólio onde você vai ter a assessoria dos professores pra realizar suas tarefas.
4. Tenha foco. A escola é boa, mas só se você souber cobrá-la seu potencial. Saiba escolher que trabalhos fazer e se esforce pra que saiam bons. Faça, refaça, encha o saco dos professores pedindo opinião. Assim fica mais fácil ter do que se orgulhar no fim de tudo (:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 8 outros seguidores

quem?


Rayanne Andrade, publicitária, 24 anos, recifense.


Rhanna Andrade, designer gráfico, 21 anos, recifense :}

%d blogueiros gostam disto: