#8 das coisas que vou sentir falta

Quando eu estava em Recife, o supermercado mais próximo da minha casa estava há mais ou menos 1 km. Posso contar nos dedos quantas vezes eu fui andando até lá. Na verdade, eu posso contar nos dedos as vezes que resolvi algo em Recife dependendo apenas dos meus pés.

No começo, quando me mudei pra Buenos Aires, achava surreal quando as pessoas diziam ‘Ah, é pertinho. Deve ser há umas 10 quadras mais ou menos’. Quê? 10 quadras andando em Recife e eu tinha a convicção de que ia começar a ver miragens e morrer no calor escaldante.

A primeira coisa que eu coloco na minha lista das coisas que vou sentir falta de Buenos Aires é a mobilidade urbana. Veja só, em Recife eu estudava na UFPE e dependia do lendário Candeias-Dois Irmãos. Pra quem não conhece a distância que esse ônibus percorre, eu posso resumir como A VOLTA AO MUNDO. Duas vezes.

Então, vir morar em Palermo, o bairro onde estava minha escola, me proporcionou condicionar minha rotina a depender apenas de caminhada. Dificilmente precisei de ônibus pra me deslocar e sempre que precisei peguei sem dificuldades nem medo de ser feliz, ainda que fossem 2 horas da manhã. Imagina? De onde eu venho, 22h já é tarde o suficiente pra me deixar com medinho de pegar ônibus sozinha. Gente, se fui pobre, não lembro!

Morar aqui me fez notar que mais da metade do meu estresse diário se concentra na dificuldade de deslocamento na cidade do Recife. Se pego ônibus, preciso reservar 1 hora a mais pro tempo de espera, além de me desprender do que eu ainda tenho de vaidade, já que o caos de pessoas lhe deixa com cara de fim de festa. Se vou de carro, gasto rios de dinheiro em gasolina, e preciso de uma playlist bem massa pra me distrair do trânsito infernal. De bicicleta, se não tiver medo de morrer e a pé, se tiver disposta a andar uma vida, já que nada é perto.

Aqui as pessoas conseguem ser mais desprendidas de um carro. É massa ver muita gente andando de bicicleta, skate e até patins no meio da rua e notar um mínimo de respeito dos motoristas com esses meios alternativos de transporte.

Das coisas que vou sentir falta tem essa vontade de ter uma bicicleta linds com uma cesta de florzinhas pra sair por aí.

Anúncios

3 Respostas para “#8 das coisas que vou sentir falta

  1. Rhanna, me identifiquei muito, quando tu voltar tu vai ver como piora a sensação de péssima mobilidade urbana 😦

  2. Gente, era a coisa que eu mais amava na vida em BsAs também…
    Dez quadras?! O que são dez quadras quando a paisagem é tão maravilhosa?!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 8 outros seguidores

quem?


Rayanne Andrade, publicitária, 24 anos, recifense.


Rhanna Andrade, designer gráfico, 21 anos, recifense :}

%d blogueiros gostam disto: